Blog Dupont Spiller

Valuation para startups

22/07/2019

Muito se fala em equity crowdfunding (recentemente regulado pela CVM), fundos, aceleradoras, investidores anjos, entre outros. Essa galera investe em troca de uma participação no equity (participação societária) que, quando da venda da Startup, se tudo der certo, vai render uma grana muito maior do que aquela investida.



Em síntese é isso, simples assim. Mas você sabe o que é valuation? Ora, para que haja a venda da Startup realmente justa e lucrativa para todos os envolvidos, deve haver um valuation realmente bem lapidado e antenado nesse tipo de negócio.



Para negócios com alta escalabilidade, growth hacking, crescimento extremamente acelerado, na hora de calcular o valuation (quanto a empresa vale) não basta apenas analisar o fluxo de caixa descontado, patrimônio líquido e métodos tradicionais.



Buscar entender o valor do negócio de uma Startup com essas características é algo desafiador. O diferencial de valuation é a perspectiva! Startup nova tem que ter vigor! Aí já se tem a perspectiva de que o negócio pode valer $.



Ter o DNA e dinâmicas de tecnologia num mundo tomado pela tecnologia tem diferenciais disruptivos de percepção de valor, em relação ao valuation. Todavia, o negócio gerar lucro e caixa é o fundamental! Ora, muitas vezes nos deparamos com Startups enxutas e em fase inicial, mas que já fecharam diversos contratos no Brasil e exterior. Isso vale muito!



Um valuation bom precisa ter subjetividade de um lado e ciência do outro. Como se fosse a arte e a ciência se fundindo no processo de análise, quando a ciência é o mercado, competição, produtos, finanças e metodologia, e arte pessoas, posicionamento, liquidez e futuro. A dica aqui é ir ao limite da ciência para depois empregar a arte. Não se deve operar o valuation puramente no sentimento, deve-se fazer a análise e depois decidir.



Uma das coisas mais importantes para o valuation é o ativo intangível, ele pesa muito! Vale muito e também se deteriora fácil, então percebe-se que nesse cenário há volatilidade. Assim, a Startup precisa estar atenta ao intangível, como prestação de serviços que de nada tem a ver com o produto principal, mas aquele “algo a mais”, “algo que o cliente realmente não esperava”.



Outra coisa não menos importante para valorização do valuation é a governança corporativa. Uma boa governança é perspectiva de resultado e um instrumento de mitigação de riscos. Ou seja, boa governança, boas informações sobre a empresa, canais confiáveis, demonstrações contábeis sérias e políticas confiáveis.



A Marca e as Patentes também fazem parte do intangível e representam valor à Startup, ou seja, ter o máximo de cuidado e sempre registrar marca, logotipo e patentes é obrigatório para que o valuation seja complementado.



O valuation é realizado por profissional qualificado de economia, todavia, como visto, o ideal é que a Startup tenha uma assessoria completa desde a sua fase embrionária, para que lá na frente, na hora da realização do valuation, todos os investidores e sócios saiam felizes e com o retorno merecido.



Ruan Freitas Libardoni Advogado